RFM

O que é a metodologia RFM e como aplicá-la no varejo

Entenda a metodologia RFM no varejo, a sua importância e como aplicar na estratégia da sua marca. 

A segmentação de clientes têm contribuído para o sucesso comercial de muitas marcas, pois ela possibilita o entendimento da jornada de compras dos clientes e uma comunicação personalizada de acordo com o perfil e comportamento deles.

É possível segmentar uma base levando em consideração aspectos geográficos, demográficos e comportamentais, mas uma forma mais avançada de segmentar é cruzando dados de consumo da base de acordo com os parâmetros de análise do RFM.  

Neste artigo, vamos explicar o que é o RFM, a importância dessa metodologia de segmentação no varejo e como aplicar de maneira eficiente na estratégia de marketing da sua marca.

O que é a metodologia RFM?

O RFM, ou RFV, é uma metodologia de segmentação utilizada para agrupar consumidores de acordo com o seu comportamento de compra com base nos dados de Recência, Frequência e Valor Gasto (Monetário).

Também é conhecido como RFV por muitos profissionais. Na prática, é a mesma coisa que RFM, só se difere na nomenclatura do último parâmetro que considera o V de Valor Gasto/Monetário. 

Analisar o hábito de compras dos clientes com um simples parâmetro é insuficiente, por isso essa metodologia sugere o entendimento desses três principais parâmetros:

  • Recência:quanto tempo os clientes compraram?
  • Frequência: Com que frequência os clientes compram?
  • Monetário: Quanto os clientes gastam? 

Com as respostas dessas perguntas é possível identificar os grupos dos melhores clientes, os que estão mais propensos a comprar agora, os que têm potencial financeiro, os fiéis e os que têm maior probabilidade de responder à campanha atual.

Como é feita a análise RFM aplicada ao varejo?

A partir de um determinado período de tempo, deve-se identificar para cada cliente quantos dias desde a sua última compra (Recência), quantas vezes comprou (Frequência) e o quanto gastou (Valor Monetário).

Com esses dados, é realizado o cálculo das faixas que vão direcionar o que representa um valor alto, baixo e médio para cada uma dessas informações (Recência, Frequência e Valor Monetário) e assim, possibilitar a distribuição da base de consumidores.

Os consumidores são divididos em clusters para a marca poder entender a jornada de compra e criar estratégias mais assertivas para redução de churn, upsell e retenção.

Os principais clusters de clientes no RFM

A metodologia RFM no varejo identifica os clientes fidelizados, novos e potenciais, em atenção e com risco de churn, segmentando esse perfil de consumo em em dez principais clusters

  •  Champions: Comprou recentemente, compra com muita frequência e gasta muito!
  • Loyal Customers: Gasta uma boa quantia de dinheiro frequentemente.
  • Potential Loyalist: Consumidores recentes que gastaram uma boa quantia e compraram mais de 1 vez.
  • Recent Customers: Comprou recentemente, mas não tem frequência.
  • Promissing: Compradores recentes que não gastaram muito.
  • Need Attention: Frequência e monetário acima da média, mas sem compras recentes.
  • About to Sleep: Recência, frequência e monetário abaixo da média.
  • At Risk: Gastos médios/altos  e compras frequentes há um tempo relativo.
  • Can’t Lose Them: Gastos altos e compras frequentes há muito tempo, são os ex-campeões.
  • Hibernating: Gastos baixos, com pouca frequência e não compram há muito tempo.

Veja como é feita essa divisão de clusters na matriz de RFM:

Como analisar e criar ações estratégicas para os clusters?

Agora que você já sabe como é feita a segmentação da base de clientes no varejo de acordo com a metodologia RFM é importante saber como analisar essas informações e criar ações estratégicas para cada grupo clientes. 

Essas ações devem ser pensadas para estimular migrações positivas de clusters, ou seja, migrações para grupos mais recentes e com maior movimentação financeiro, com a meta em alcançar os  Champions, onde encontram-se os melhores clientes da marca e mantê-los lá. 

É importante acompanhar a tendência de migrações a cada mês para evitar o movimento oposto e identificar os objetivos estratégicos em cada grupo.

Clientes fidelizados

No grupo de clientes fidelizados, que estão presentes os Champions e Loyal Customers o objetivo é aumentar a lealdade e o envolvimento do usuário com a marca. 

Criar programa de fidelidade, garantir que a experiência inicial com seu produto e serviço seja agradável e memorável e também oferecer algumas promoções oportunas favorecem a retenção deste grupo e estimula a recompra. O envio de conteúdo educacional para esses clientes também aumentará o envolvimento deles com a sua marca.  Confira mais algumas dicas:

  • Recompensas: condições especiais e comunicação personalizada.
  • Novos Produtos: ofertar novos produtos em primeira mão (primeiros a adotar novos produtos).
  • Reviews: pedir review dos produtos aos promotores da marca.

Clientes novos e potenciais

Nos grupos de clientes novos e potenciais,  que são Potential Loyalist, Recent Customers e Promissing é importante trabalhar ações para agregar valor, estimular a recompra e o aumentar o ticket médio. Segue dicas:

  • Relacionamento: fortalecimento de marca e agradecimento de compra.
  • Segunda Compra: condições especiais para segunda compra e recomendação de produtos.
  • Conteúdo: trabalhar conteúdos do blog que agreguem valor aos serviços ofertados pela marca.

Clientes em atenção

Para os clusters de clientes em atenção como Need Attention e About to Sleep, é importante fazer campanhas para tentar reengajá-los. Se não for rápido, a tendência é a migração ser negativa para estes grupos, ou seja, migrarem para grupos com menor recência e menor movimentação financeira. Por isso, confira algumas ações que podem ser eficientes:

  • Promoções: condições especiais por tempo limitado (Só Hoje) e frete grátis.
  • Produtos populares: ofertar produtos populares e recomendação com base em compras passadas.
  • Conteúdos de Review: compartilhar reviews positivas da marca e dos produtos.

Clientes em risco e churn

Criar lista de saudades para e fazer campanhas para tentar reengajar clientes em risco e churn, que estão nos grupos At Risk, Can’t Lose Them e Hibernating costumam ser eficientes, por isso crie ações de:

  •  Winback: comunicação para retornar o engajamento.
  • Comunicação Personalizada: clientes expressivos merecem mais atenção.
  • Programas de Crédito: cartão de crédito.
  • Conteúdo: trabalhar conteúdos do blog que agreguem valor aos serviços ofertados pela marca.

Saber quem são seus clientes e qual o potencial de compra deles é essencial para o sucesso da marca. O RFM é um orientador para se comunicar estrategicamente com eles. 

Para facilitar esse processo de análise, os CRMs especializados em segmentação de base, permitem gerar facilmente relatórios com a lista de clientes de cada cluster, o tamanho de cada grupo, média de valores e comparar com outros períodos.

E então, gostou deste artigo? Deixe a sua opinião nos comentários.

Posts Similares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *