No mercado brasileiro, com certeza, há diversos profissionais de varejo, entretanto, apenas alguns se destacam e fazem um trabalho acima da média.

O cargo, chamado lá fora de CDO (Chief Digital Officer), e ainda sem um nome definido no Brasil, é relativamente novo para nós e, com isso, surgem muitas dúvidas acerca do seu significado e seu papel dentro de uma organização.

Aqui no Brasil, esse papel de transformador digital têm sido assumido por profissionais do E-commerce, devido ao contato mais próximo com o meio digital.

Uma pesquisa feita pela consultoria Egon Zehnder, traz grandes insights e mostra que esses profissionais têm o desafio de transformar a empresa de antiquada e não responsiva para uma empresa que se move rapidamente e se torna conhecedora da tecnologia, do analógico ao digital.

“É um papel que impulsiona uma organização” – Laura Merling – Digital Executive and Strategic Advisor (AT&T and Ford).

Esse papel desafiador conta com tarefas desde a mudar o mindset da organização à aplicação da tecnologia, propriamente dita.

No artigo de hoje vamos entender mais a fundo o que de fato faz um transformador digital, seus desafios e como assumir esse desafio na sua organização.

O que significa ser um transformador digital?

Essa é uma pergunta para muitas respostas, uma vez que a função sofre alterações de acordo com os ideais de cada empresa e seus desafios. 

Os transformadores digitais, estão criando hoje o que vai ser o mercado no futuro.

Algumas empresas enxergam o cargo como uma extensão de um CIO ou CTO, embora o foco não seja estritamente na informação, na tecnologia ou na segurança dos dados, e apenas um terço dos transformadores digitais das grandes empresas vem com esse tipo de experiência.

“Outras companhias estão procurando por líderes de internos enquanto abandonam práticas e processos de uma era passada” – Lindsay Trout – Head Global Digital Practice na Egon Zehnder. 


A pesquisa mostra que esses executivos são desbravadores:

  • 36% já ocupavam outros cargos na mesma empresa;
  • 33% deles não tinham experiência na função;
  • 64% foram contratados no mercado;
  • 84% foram os primeiros a ocupar o cargo na empresa

Esses dados apontam que os CDOs estão em um cargo novo estabelecendo as melhores práticas e criando estruturas para que a transformação aconteça.

64% são pessoas contratadas do Mercado, mostrando que as empresas sentem a necessidade de importar esses executivos porque sentem que não tem essas expertises dentro de casa.

Qual é o papel de um transformador digital?

A maioria dos entrevistados (56%) diz que seu trabalho é gerar impacto comercial ou monetização digital. 19% acredita que é impulsionar uma estratégia de longo prazo para produto e inovação.

Essas respostas mostram que os transformadores Digitais são pressionados a pensar em curto e médio prazo. Mas existem outros executivos sendo contratados para trazer evolução de longo prazo para a empresa. 

Cabe, então, à organização entender a complexidade dos seus desafios para que a exigência em cima dos transformadores digitais sejam condizentes com o prazo que devem levar para obterem os resultados. 

Essa complexidade deve ser medida de acordo com o seu nível de maturidade em relação à tecnologia.

Como é a rotina?

Quanto à sua rotina, a maior parte dela é focada em evoluir o mindset da empresa. Os executivos entrevistados dizem que:

  • 54% passam a maior parte do tempo evangelizando o time;
  • 18% passam a maior parte do tempo executando;

A complexidade em implementar uma nova tecnologia ou processos tecnológicos não é maior do que a de provar sua necessidade à empresa.

Já que a maior parte do trabalho do transformador digital é evangelizar a empresa, é necessário que a empresa faça uma avaliação do quanto está disposta a mudar e entender se o profissional em potencial têm a habilidade de fazer isso. 

De onde vem sua motivação?

Os entrevistados responderam qual era a sua motivação no momento de aceitar o cargo. Eles responderam que o que mais os motivaram foi:

  • 50% escopo de impacto;
  • 24% complexidade do desafio;
  • 13% oportunidade de crescimento pessoal;

Esses executivos têm uma grande expectativa que suas ações podem causar um grande impacto na empresa. 

De fato, a tecnologia têm alavancado resultados, facilitado operações, automatizado processos e isso trás um grande impacto não somente na receita, como na cultura de uma empresa.

O que é ser um transformador digital na prática?

Buscando entender o paralelo entre o que foi proposto para o cargo e o que de fato é sua experiência e sua realidade, 62% dos entrevistados disseram que não foi muito diferente uma da outra.

Em contrapartida, 2 a cada 5 transformadores digitais dizem que a experiência foi razoavelmente ou muito diferente do que tinham imaginado para a vaga. 

Por isso, a necessidade de alinhar qual será a autonomia do transformador digital, e entender qual é a maturidade da empresa em relação à tecnologia.

O que foi mais difícil do que imaginava ao assumir o cargo?

  • 80% disseram evoluir a cultura: dificuldades para alinhar-se com o resto da empresa, ou alinhar a empresa com o seu plano;
  • 68% disseram integração de dados e quebra de silos;
  • 46% condução da estratégia digital;
  • 45% monetização e/ou dar valor aos dados;

 “Cultura é a base para uma estratégia de longo prazo que gera impacto comercial.” – Zia Zaman, Chief Innovation Officer at MetLIfe Asia

Como estão emergindo os transformadores digitais no Brasil?

No Varejo brasileiro, muitos profissionais da área de e-commerce assumem o desafio digital, o que faz sentido pela facilidade com tecnologia e o mindset voltado para dar escala às operações.

Pela experiência dos projetos que fazemos na Dito, vejo os mesmos desafios apontados na pesquisa: questão cultural e integração de dados (quebra dos silos).

Alguns exemplos de profissionais que estão assumindo o desafio de serem transformadores digitais:

Outros vêm de áreas relacionadas à inovação, tecnologia ou já acumulavam experiência de gestão, o que também faz sentido, pois precisam transitar bem por todas as outras áreas:

E você? Está preparado(a) para esse desafio na sua empresa?

Postagens similares

Transformadores digitais: quem são os profissionais que irão revolucionar o varejo?

Conheça alguns profissionais de varejo para você se inspirar!

No mercado brasileiro, com certeza, há diversos profissionais de varejo, entretanto, apenas alguns se destacam e fazem um trabalho acima da média.

O cargo, chamado lá fora de CDO (Chief Digital Officer), e ainda sem um nome definido no Brasil, é relativamente novo para nós e, com isso, surgem muitas dúvidas acerca do seu significado e seu papel dentro de uma organização.

Aqui no Brasil, esse papel de transformador digital têm sido assumido por profissionais do E-commerce, devido ao contato mais próximo com o meio digital.

Uma pesquisa feita pela consultoria Egon Zehnder, traz grandes insights e mostra que esses profissionais têm o desafio de transformar a empresa de antiquada e não responsiva para uma empresa que se move rapidamente e se torna conhecedora da tecnologia, do analógico ao digital.

“É um papel que impulsiona uma organização” – Laura Merling – Digital Executive and Strategic Advisor (AT&T and Ford).

Esse papel desafiador conta com tarefas desde a mudar o mindset da organização à aplicação da tecnologia, propriamente dita.

No artigo de hoje vamos entender mais a fundo o que de fato faz um transformador digital, seus desafios e como assumir esse desafio na sua organização.

O que significa ser um transformador digital?

Essa é uma pergunta para muitas respostas, uma vez que a função sofre alterações de acordo com os ideais de cada empresa e seus desafios. 

Os transformadores digitais, estão criando hoje o que vai ser o mercado no futuro.

Algumas empresas enxergam o cargo como uma extensão de um CIO ou CTO, embora o foco não seja estritamente na informação, na tecnologia ou na segurança dos dados, e apenas um terço dos transformadores digitais das grandes empresas vem com esse tipo de experiência.

“Outras companhias estão procurando por líderes de internos enquanto abandonam práticas e processos de uma era passada” – Lindsay Trout – Head Global Digital Practice na Egon Zehnder. 


A pesquisa mostra que esses executivos são desbravadores:

  • 36% já ocupavam outros cargos na mesma empresa;
  • 33% deles não tinham experiência na função;
  • 64% foram contratados no mercado;
  • 84% foram os primeiros a ocupar o cargo na empresa

Esses dados apontam que os CDOs estão em um cargo novo estabelecendo as melhores práticas e criando estruturas para que a transformação aconteça.

64% são pessoas contratadas do Mercado, mostrando que as empresas sentem a necessidade de importar esses executivos porque sentem que não tem essas expertises dentro de casa.

Qual é o papel de um transformador digital?

A maioria dos entrevistados (56%) diz que seu trabalho é gerar impacto comercial ou monetização digital. 19% acredita que é impulsionar uma estratégia de longo prazo para produto e inovação.

Essas respostas mostram que os transformadores Digitais são pressionados a pensar em curto e médio prazo. Mas existem outros executivos sendo contratados para trazer evolução de longo prazo para a empresa. 

Cabe, então, à organização entender a complexidade dos seus desafios para que a exigência em cima dos transformadores digitais sejam condizentes com o prazo que devem levar para obterem os resultados. 

Essa complexidade deve ser medida de acordo com o seu nível de maturidade em relação à tecnologia.

Como é a rotina?

Quanto à sua rotina, a maior parte dela é focada em evoluir o mindset da empresa. Os executivos entrevistados dizem que:

  • 54% passam a maior parte do tempo evangelizando o time;
  • 18% passam a maior parte do tempo executando;

A complexidade em implementar uma nova tecnologia ou processos tecnológicos não é maior do que a de provar sua necessidade à empresa.

Já que a maior parte do trabalho do transformador digital é evangelizar a empresa, é necessário que a empresa faça uma avaliação do quanto está disposta a mudar e entender se o profissional em potencial têm a habilidade de fazer isso. 

De onde vem sua motivação?

Os entrevistados responderam qual era a sua motivação no momento de aceitar o cargo. Eles responderam que o que mais os motivaram foi:

  • 50% escopo de impacto;
  • 24% complexidade do desafio;
  • 13% oportunidade de crescimento pessoal;

Esses executivos têm uma grande expectativa que suas ações podem causar um grande impacto na empresa. 

De fato, a tecnologia têm alavancado resultados, facilitado operações, automatizado processos e isso trás um grande impacto não somente na receita, como na cultura de uma empresa.

O que é ser um transformador digital na prática?

Buscando entender o paralelo entre o que foi proposto para o cargo e o que de fato é sua experiência e sua realidade, 62% dos entrevistados disseram que não foi muito diferente uma da outra.

Em contrapartida, 2 a cada 5 transformadores digitais dizem que a experiência foi razoavelmente ou muito diferente do que tinham imaginado para a vaga. 

Por isso, a necessidade de alinhar qual será a autonomia do transformador digital, e entender qual é a maturidade da empresa em relação à tecnologia.

O que foi mais difícil do que imaginava ao assumir o cargo?

  • 80% disseram evoluir a cultura: dificuldades para alinhar-se com o resto da empresa, ou alinhar a empresa com o seu plano;
  • 68% disseram integração de dados e quebra de silos;
  • 46% condução da estratégia digital;
  • 45% monetização e/ou dar valor aos dados;

 “Cultura é a base para uma estratégia de longo prazo que gera impacto comercial.” – Zia Zaman, Chief Innovation Officer at MetLIfe Asia

Como estão emergindo os transformadores digitais no Brasil?

No Varejo brasileiro, muitos profissionais da área de e-commerce assumem o desafio digital, o que faz sentido pela facilidade com tecnologia e o mindset voltado para dar escala às operações.

Pela experiência dos projetos que fazemos na Dito, vejo os mesmos desafios apontados na pesquisa: questão cultural e integração de dados (quebra dos silos).

Alguns exemplos de profissionais que estão assumindo o desafio de serem transformadores digitais:

Outros vêm de áreas relacionadas à inovação, tecnologia ou já acumulavam experiência de gestão, o que também faz sentido, pois precisam transitar bem por todas as outras áreas:

E você? Está preparado(a) para esse desafio na sua empresa?

Posts Similares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *